05
Jan 10

 

 

"29.12.2009 - 21:05 Por Catarina Gomes

A orientação sexual não é imutável e existe espaço para a intervenção de psiquiatras no sentido da sua clarificação, lê-se no parecer técnico aprovado hoje pela Ordem dos Médicos (OM), que pretende pôr fim a uma polémica que começou em Maio.

PÚBLICO (arquivo)

"Um tratamento da homossexualidade implicaria a violação de direitos humanos”, advoga o parecer

 

Tudo começou com declarações ao PÚBLICO do presidente do colégio da especialidade de psiquiatria da OM, João Marques Teixeira. O médico defendeu, na altura, que nalguns casos pode ser possível dar resposta a alguém que sente atracção por pessoas do mesmo sexo e pede ajuda para ser diferente. “Se um indivíduo tiver uma homossexualidade primária (isto é, com um cunho biológico muito marcado, traduzido em tendências homossexuais desde muito novo e tendo tido sempre este tipo de orientação ao longo da vida)”, a ajuda “será no sentido de o ajudar a aceitar-se como é.” Já “se for uma homossexualidade secundária”, então há a possibilidade “de se reenquadrar a identidade de género”.

Mais de duas dezenas de associações, como a Médicos pela Escolha e a Panteras Rosa, indignaram-se com esta posição. A homossexualidade deixou de ser considerada doença em 1973, lembrou o psiquiatra Daniel Sampaio, que, com outro colega, lançou na Internet uma petição na qual recorda que a Associação Americana de Psiquiatria reprova qualquer intervenção a este nível. O documento recebeu centenas de assinaturas.

O parecer agora aprovado prova “que foi muito útil ter organizado a petição, pois permitiu este esclarecimento que deixa implícita uma crítica às declarações anteriores de psiquiatras que defenderam terapias de reconversão”, disse Daniel Sampaio ontem ao PÚBLICO.

Para o professor catedrático de Psiquiatria da Faculdade de Medicina de Lisboa, quando João Marques Teixeira se referiu a uma homossexualidade com “cunho biológico” estava implícito que a entendia como “uma doença”, “um conceito que surge como errado à luz do próprio parecer”, donde se conclui que não há indicação para tratamentos “de reconversão”. “O dr. Marques Teixeira disse o contrário do que aqui está.”

O doente que queira mudar deve ser informado “de que não existe evidência científica que suporte uma intervenção que resulte na completa mudança de orientação sexual”, continua o documento. O parecer foi pedido pelo bastonário da OM ao próprio colégio da especialidade de psiquiatria e foi ontem aprovado pelo conselho nacional executivo da Ordem, constituído pelo bastonário e nove médicos dos conselhos regionais. Passa assim a ser a posição técnica oficial que deve servir de orientação aos médicos portugueses.

Momentos de indefinição

“Ainda ontem recebi uma queixa de um rapaz de 21 anos que foi obrigado pelos pais a ir uma psicóloga homofóbica, depois de ter dito aos pais que era homossexual”, conta António Serzedelo, presidente da organização Opus Gay. O activista concorda que existe espaço de intervenção dos médicos que agem “de forma correcta, e que sabem enquadrar a situação em termos humanos e culturais”, mas que recebe regularmente queixas de homossexuais que são acompanhados por médicos que tentam “torcer personalidades”.

Pedro Afonso, psiquiatra do Hospital Júlio de Matos, diz que são sobretudo adolescentes e jovens adultos que lhe batem à porta em busca de ajuda. “Pode haver momentos de ambiguidade em que o jovem, afinal, chega à conclusão de que não é homossexual. Há momentos de indefinição.” E é aqui que o psiquiatra pode ajudar “a clarificar a orientação sexual”.

O parecer refere que é na adolescência que muitas vezes se concentram “incertezas sobre identidade de género ou orientação sexual”. Pedro Afonso nota que “a homossexualidade não é uma doença mas a sua vivência, para alguns, pode configurar uma doença”. “Eu não trato homossexuais mas acedo a pedidos de clarificação. Não podemos deixar de ajudar as pessoas.”

A mesma opinião tem o psiquiatra António Leuchner, presidente do conselho de administração do Hospital Magalhães Lemos, que diz que “não se deve recusar ajuda, se a pessoa se sente menos bem com uma atracção por pessoas do mesmo sexo”.

Notícia substituída às 21h30"

 

Fonte: PUBLICO

 

publicado por Homossexualidade 12ºE às 09:00

Apresentação
Hospede inúmeras fotos no slide.com GRÁTIS!
Votação
arquivos
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

25
26
28
29
30

31


HIV - Filme de prevenção I
HIV - Filme de prevenção II
pesquisar
 
Visitas
mais sobre mim
blogs SAPO